segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Os Primeiros Povoadores da Cariri, segundo Padre Antonio Gomes



De acordo com Padre Antonio Gomes em Cidade de Frei Carlos( p99) em torno da Missão  de Frei Carlos, nas circunvizinhanças, foram-se fixando os primeiros elementos brancos, lastro da futura Sociedade Cratense, a saber:
Antonio Lopes de Andrade(Coronel) c.c. Isabel Ferreira  da Fonseca, paraibana,  ancestrais dos Ribeiro de Andrade. Tronco  dos Ribeiro Lobo e Esmeraldo, de Crato, bem como, dos Andrade, da zona Jaguaribana; 
Antonio Pinheiro Lôbo  e Mendonça(Capitão), sergipano, c.c. Joana Bezerra de Menezes, pernambucana, tronco dos Pinheiros e Bezerra de Meneses, que em 1730 já estava fixado no sítio Muquem , hoje termo do Crato;
João Carneiro de Morais,( Capitão) pernambucano, c.c.  Petrolina Bezerra de Menezes, natural de Muribeca -   pernambucana, pais de Margarida esposa de Simião  Correia, natural ele de  da cidade de Goiana; 
Silvestre Ribeiro da Silva(Coronel), baiano, c.c. Isabel Lopes de Andrade , filha do Cel Antonio Lopes de Andrade e de Dona Isabel Ferreira da Fonseca cearense , tronco dos Ribeiro da Silva e Esmeraldo;
Simião Cabral de Melo(Alferes),  de Serinhaém – Pernambuco, c.c. Margarida Mendes de Oliveira, da Vila Goiana – PE, troncos dos Melos;
OUTROS TRONCOS FAMILAIRES PIONEIROS NO POVOAMENTO DO CARIRI, SEGUNDO PADRE ANTONIO GOMES

Alexandre Correia Arnaut – Capitão
Antonio da Cruz Neves – Tenente.
Antonio de Souza Goulart, da cidade de Salvador c.c. Maria  da Encarnação de Jesus, posseiros  no Brejo do Salamanca. Foram os sogros de  Leonel de Alencar Rego, com quem casaram a filha Maria da Assunção: Avós da Heroina  Bárbara de Alencar – Livro   de casamento de Missão Velha de 1765 a 1770, Povoamento do Cariri p 52
Antonio Gonçalves Dantas – capitão
Antonio José Batista e Mello – Tenente Cel.
Antonio Macedo Pimentel c.c. Thereza Bezerra de Oliveira,residentes  em Crato, sendo ela natural desta localidade, pais de  Antonio de Macedo Pimentel , cratense  c.c. Maria Joaquina  de Santana, filha de Joaquim Ferreira Lima e Desidéria Maria do Espirito Santo – Livro de reg.  De batizados de Crato, de 1800 a 1806 Povoamento do Cariri pg. 73 Joaquim e e Desidéria eram os sogros de Tristão Gonçalves, pg. 54.
Antonio Manuel de Jesus – capitão
Antonio Moreira dos santos – Capitão
Antonio Pereira de Brito – capitão
Antonio Pereira Gonçalves Martins  Parente
Antonio Pereira Pinto, de Inhambupe c.c. Joana Batista  do E. Santo – tronco  dos Pereira Pinto Calou, pois, casaram seus filhos Gregório Pereira Pinto, baiano  com Ana Angélica  de Jesus, filha do citado Francisco  Magalhães Barreto e Sá, ascendentes  sergipanos dos Sá , de Barreto Barbalha – Livro do Reg, de Batizado -  de Missão Velha , de 1795 a 1803, Povoamento do Cariri Pag. (53)
Antonio Pinheiro de Magalhães – Alferes c.c. Inês de Sá  Souto Maior –tronco da família SÁ Barreto  e Landim, residentes  na ribeira do riacho dos Porcos,em Milagres, onde faliceu  em 19.09.1751 – Livro  óbitos de Missão Velha , de 1748 a 1770. Eram os pais de 
Arnaud de Holanda Correia –Sargento – mor
Bartolomeu Martins de Morais – capitão
Bento Diniz Barbosa, de Missão Velha, um dos fundadores  da cidade , tendo ele falecido em 22.12.1752 – livro de registro de óbitos, de 1748 a 1816 f. 12)
Caetano Gonçalves de Souza – alferes
Domingos Álvares de Matos c.c.  Maria Ferreira da Silva , filha do Cel. Antonio Mendes Lobato, que doaram aos índios  as terras do Crato, tendo o Frei Carlos  sido o tomador da posse em nome dos índios e suas famílias.
Domingos Gonçalves Sobreira – capitão
Domingos Paes Landim – capitão
Eufrásio Alves Bezerra c.c. Antonia Teles de Mendonça, pais  de Theodósia , nascida em 23.05. 1858 – DPHDPG 4129081 02841
Francisco Coelho – português,  c.c. Antonia Maria da Rocha, do rio São Francisco, moradores no Brejinho, em 1763 – Livro Reg, Batismo de  Missão Velha 1748 a 1764  Povoamento do Cariri p. 149
Francisco Ferreira da Silva – capitão , sediado no vale em 1736
Francisco Gomes de Melo – capitão, dos Inhamuns cearense, filho do Alferes Simão Cabral de Melo, que era natural de   Serinhaém – PE casado com Dona Margarida  Mendes de Oliveira, Natural da vila de Goiana –PE. O Capitão Francisco Gomes de Melo era casado com  Dona Ana Maria Bezerra de Menezes.   NOTA: Juntamente com o índio José de Amorim foram os dois  primeiros Juizes ordinários em Crato, quando foi criada a Vila do Crato. A Dona Ana Maria Bezerra de Menezes tinha laços familiares com o tronco da família Brito do Cariri
Francisco Magalhães Barreto e Sá – capitão, sediado no Cariri em 1744. Era sergipano e foi o fundador da  cidade de Barbalha – Livro de reg. De casamento , de 1765 a 1770, fl 28 Missão Velha, e livro de reg. Batizado fl 52 da Par. De Missão  Velha.  O capitão Francisco Magalhães Barreto e Sá  era casado com  Dona Maria Polucena de Lima. Povoamento do Cariri Pg. 52
Francisco Pereira de Abreu c.c. Inácia Pereira de Jesus, falecido em 1806, também aparece como Francisco Pereira Aunaud
Francisco Roberto de Menezes e Vasconcelos – Sargento  - Mór, sergipano, c.c. Tereza Maria de Jesus de naturalidade pernambucana, donos do sítio São João da Tapera, na serra de Missão Velha – Livro de reg. De casamento , de 1765  1770 FL. 20 Par. De V. Velha.
Francisco Xavier das Chagas – capitão
Gonçalo Coelho Sampaio – alferes , situado no vale em 1748
Gonçalo de Oliveira Rocha – Tenente
Gregório Pereira Pinto
Inácio Correia de Oliveira – capitão sergipano c.c. Ana de Azevedo, de igual naturalidade
Inácio de Figueiredo Adorno – capitão , sediado no vale em 1735
Inácio Pereira Lôbo – cel c.c. Tereza Bezerra de Menezes, sergipana
João de Miranda Mideia, povoador no Miranda
João de Oliveira Rocha – tenente
João de Souza Goulart , da Lagoa de Luiz Correia, pai de Antonia Maria da Conceição c.c. Lourenço Correia Dantas, ascendentes, de Barbalha – Livro de Reg. De Casamentos de Missão Velha , de 1765 a 1770 fs. 15 – Povoamento do Cariri p 54
João Fernandes de Morais – alferes
João Gomes Leitão – capitão
João Gonçalves Diniz, criador  e agricultor radicado no sítio Correntinho , em Crato , c.c. Desidéria de  Andrade Pereira, tendo ele falecido em 1751- Cidade Frei Carlos, pg. 44
João Machado Jorge
João Mendes Lobato – cel, do Riacho  dos Porcos, sergipano de Porto-da- folha , às margens do Rio São Francisco – Livro de Reg. De Bat. , de 1748 a 1764, fl 86v, Par. De Missão Velha. Era filho do Capitão  Amtonio Mendes Lobato,sendo o único dos filhos a permanecer  no Cariri, no sítio que fundou, Missão Velha (Padre Antonio Gomes, Cidade de Frei Carlos) 
João Tavares  Muniz – capitão
Joaquim Magalhães Mascarenhas
José Alexandre Correia Arnaud , falecido  em 01.04.1816 – livro de notas, de 1813 a 1814, fl 104, Cartório de Crato. Em 1801 já era casado com Paula Tereza Marreiros da Silva. Eram os pais de  01 – Joaquina Marreiros Arnaud c.c. o Sargento -  Mór Simão Teles de Menezes, filho de Tenente Cel Leandro  Bezerra de Monteiro, e de Rosa Josefa do Sacramento. Casaram-se em 1801, tendo  o Simão  falecido e, 04. 01. 1813, então sua esposa aparece com  o nome de Rosa Joaquina de Figueiredo Arnaud.
José Dávila de Figueiredo – capitão
José de Caldas Costa
José de Sá Souto Maior – capitão , situado no vale em 1744
José dos Montes e Silva – ajudante,  situado no vale em 1739
José Paes Landim – capitão , sediado no vale em 1731
José Pereira  de Mascarenhas  - capitão
José Pereira Filgueiras – capitão- mor de Crato, c.c. em primeiras núpcias  com Joaquina Parente, em segundas com Maria de Castro Filguieras( ou Maria de Castro Caldas)  sua primeira esposa  faliceu em foi sepultada em Crato.
José Pereira Lima Aço c.c. Apolônia Correia de Oliveira, do sítio Corrente  ( Ver as 4 sergipanas)
José Quesado de Filgueiras Lima
Luiz da Rocha Pita – capitão
Luiz Furtado Leite e Almeida – tenente cel,
Manuel Cardoso Viana – capitão
Manuel de São João Madeira – Doutor, que teve por companheira Isabela Francisca, sendo ele, filho doa portugueses lisboetas Manuel Pinto Madeira e Antonia Luiza. Era Advogado  licenciado, da mesma naturalidade dos seus pais, tendo fixado residência no Riacho do Ouro, Vale do Salamanca, hoje, Barbalha, em finais do século XVIII e foi  o primeiro colono a exercera profissão de Advogado no Cariri. Foram seus filhos:  01 – Maria Luiza da Piedade c.c. o Sargento – mor Antonio de Barros Rego; 02 – Valentim de São João Madeira; 03 – Ponciano de Pinto Madeira , casado e pai  do caudilho Joaquim Pinto Madeira -  Cidade de Frei Carlos , p 43 a 71.
Manuel de Souza Pereira – alferes – paraibano c.c. Dona Perpétua Caetana do Nascimento, caririense , filha do capitão  Antonio Pinheiro  Lôbo de Mendonça
Manuel Gonçalves Parente
Mathias de Lima Taveira- português, de Braga, proprietário da Fazenda Tabocas – Milagres, donde faleceu , conforme testamento datado de 1750, tendo como testamenteiro  o Capitão  Francisco Pinheiro da Cruz;
Mathias Ferreira de Holanda c.c. Maria Teixeira de Carvalho, que foram proprietários no sítio Lameiro – Crato  propriedade adquirida em 27.03.1811
BIBLIOGRAFIA 
01 – Araujo, Padre Antonio Gomes de, Povoamento do Cariri, Faculdade de Filosofia do Crato,1973;
02 - Araujo, Padre Antonio Gomes de, A Cidade de Frei Carlos, Faculdade de Filosofia do Crato, 1971


AS  QUATRO SERGIPANAS  E SUAS DESCENDÊNCIAS
Em Povoamento do Cariri ) p 131) Padre Antonio Gomes  faz menção a várias personalidades cratenses  que descendem das 4 sergipanas ( Apolônia Correia de Oliveira, Bárbara de Oliveira. Luzia de Oliveira e Deusidéria  Pereira de Oliveira) que eram filhas do casal Antonio de Oliveira ( Portuguê, F. 1680)) e Isabel Correia de Oliveira( B. Sergipe).  Das 4 sergipanas, que na segunda metade do século 18 já se encontravam na região,  descendem boa partes das famílias cratenses.
I - Apolônia Correia de Oliveira c.c. José Pereira Lima Aço;
II - Bárbara Correia de Oliveira  c.c. Leão da Franca.
III - Desidéria Correia de Oliveira ( de Andrade Pereira) c.c. João Gonçalves Diniz;
IV - Luzia Correia de Oliveira ( ou de Oliveira Gusmão), b em Sergipe) c.c. Mateus Ferreira Lima( b em São Matheus)
I - APOLÔNIA
1 -  Apolônia  Correia de Oliveira era a filha mais velha do casal Antonio  de Oliveira e Isabel  Correia de Oliveira,  e casou-se  com o português José Pereira Lima Aço, de Bacelos, no ano de 1702, na Vila de Penedo, transferindo-se, depois de algum tempo para o sítio  Corrente,  pertencente hoje  ao município do Crato, onde fixaram residência, onde constituíram família, sendo pais de duas filhas, a saber:
1.1 – Francisca Pereira de Oliveira, nascida em Crato e casada com  o português  Tenente Coronel Antonio José Batista e Melo, advogado na Vila do Crato, atuando, também, como  Diretor dos índios no Cariri Novo.
1.2 Ana Apolônia Maria de Oliveira, sem mais informações

DESCENDÊNCIA  DO CASAL Francisca Pereira de Oliveira/  Antonio José Batista e Melo
Netos de Apolônia e José Pereira Lima Aço
1.1.1 Maria da Conceição Batista- Cratense  c.c. Antonio Pereira Martins Parente( baiano), moradores que foram do sítio Cabreiros – Crato;
1.1.2 Teresa de Jesus  Batista,cratense, c.c. o português Domingos Pedroso Batista – tronco dos “Pedroso” do Crato;
1.1.3 Matildes Francisca de Oliveira, natural de Crato c.c. Manuel Joaquim Telles( Capitão) , sergipano, domiciliado  n o sítio “Miranda” em termos de Crato – Tronco dos Marrocos Telles, do Crato;
1.1.4 Romão José Batista( Capitão), cratense  c.c. Angélica Romão Batista , natural de Milagres, sendo avós do Padre Cícero  Romão Batista;
1.1.5 Francisco Romão  Batista -  nascido em Crato, falecido aos 38 anos de idade;
1.1.6 Isabel  Maria da França – Yayá Zabel, nascida em Crato c.c. Manuel Ferreira Lima. Eram os pais do Padre Joaquim Ferreira Limaverde e Maria Isabelda Penha – troncos da família Ferreira Limaverde e da família “Maia” do Crato;
1.1.7 José Batista Melo, sem mais informações;
1.1.8 Rosa Fideles Melo;
Do casal Maria da Conceição Batista- Cratense  c.c. Antonio Pereira Martins Parente – 1.1.1 – nasceram doisi filhos, a saber:
1.1.1.1 Josefa de Jesus  Batista c.c. José Ferreira Lima Sucupira, Padre (  1.781 a 1867;
1.1.1.2 Antonio Pereira Gonçalves Martins Filho c.c. Joana Batista do E. Santo.
Do casal  Joséfa  de Jesus Batista e José Ferreira Lima Sucupira -  (1.1.1.1) procedem:
1.1.1.1. 1 – Antonio Ferreira Lima Sucupira;
1.1.1.1.1 – Antonio Ferreira Lima Sucupira c.c. Carolina Clarence  Alencar Araripe, no dia 30.11.1833, sendo ela filha de Tristão Gonçalves de Alencar  e Ana Porcina Ferreira Lima,sendo ambos da linhagem  das quatro sergipanas.
1.1.1.1.2  – Rosendo  Ferreira Lima Sucupira;
1.1.1.1.3 -  Filadelfia Ferreira Lima Sucupira;
1.1.1.1.4 – Gertrudes Ferreira Lima Sucupira;
1.1.1.1.5 – Rosa Ferreira Lima Sucupira;
1.1.1.1.6 – Cândida  Ferreira Lima Sucupira;
Nota: José Ferreira Lima Sucupira nasceu em Crato no dia 08 de setembro de 1781, tendo acrescentado em seu nome o SUCUPIRA pelo sentimento  nativista. Ao enviuvar, ordenou-se  padre, tendo falecido em Fortaleza em 25.01.1867, aos 86 anos de vida. 
II - DESIDÉRIA

2 - Desidéria Correia de Oliveira – a  Velha ( ou Desidéria de Andrade Pereira) c.c. João Gonçalves Diniz- Português, com quem já  em 1748 residia  no sítio Cabreiros, hoje termo de Crato.  Deste casal promanam  os Ferreira Lima, os Alencar Araripe, Os Leite de Oliveira, Marrocos Telles, Alves de Figueiredo, Macedo Pimentel, Cardoso e Maciel.Tiveram 4 filhos, a saber

2.1.José Gonçalves Diniz;
2.2 – Teresa de Jesus Maria José  c.c. Alexandre Leite de Oliveira ( português, sacerdote);
2.3 – Germana Maria  Gonçalves  c.c. José Vitorino Maciel – Capitão)( Figura representativa do Crato em  1853, tendo sido Deputado Provincial  de 1838); Eram os pais de 
1,3.1 – José Vitorino Maciel, filho
2.4 – Maria José  de Oliveira – Mazé,b em Crato c,c, José Cardozo Botelho( Português), de Braga, depois de casados vieram  residir no sítio Cabreiros – Crato, depois, mudando-se para o sítio Pau Seco, daí a denominação de Familia do Pau Seco. Deste casal  procede a família Ferreira Lima, através de Desidéria II – neta- que recebeu  o mesmo nome  da avó, c.c. Joaquim Ferreira Lima ( Cel)  filho de Luzia de Oliveira Gusmão e Mateus Ferreira Lima, tio do Padre Joaquim Ferreira Limaverde – tronco dos Limaverde e de Maria Isabel da Penha – tronco dos Maia do Crato
Filhos do casal Joaquim Ferreira Lima e Dediséria (II) Maria do Espírito Santo:
1 – Joaquim Ferreira Lima Seca – Padre
2 – Manuel Ferreira Lima  - Maninho, c,c, Maria Alves Feitosa, pais de 
2.1 – Vicente Alves de Lima c.c. Isabel Batista de Lima, pais de
2.1.1 – Pedro Alves de Lima c.c. Ana Alves de Figueiredo, pais de 
2.1.1.1 -  José Alves de Figueiredo c.c. Emília  Moreira Viana, pais de ( José de Figueiredo Filho, Mário, Letícia, Aníbal, Emília9Lili)
3 – João Franklim de Lima c.c. Maria Brasileira de Alencar
4 – Vicente Amâncio de Lima c.c. Tereza Augusta de Lima em 1ªs núpcias e c.c. Clara de Macedo em 2ªs núpcias
5 - Maria Joaquina de Santana c.c. Antonio de Macedo Pimentel ;
6 – Antonio Ferreira Lima;
7 – Ana Pereira de Lima – Ana Triste c.c. Tristão Gonçalves de Alencar Araripe;
8 – Isabel – falecida solteira em Fortaleza
III - LUZIA DE OLIVEIRA GUSMÃO (b.Sergipe) c.c. MATEUS FERREIRA LIMA (b.São Mateus(Atual Jucás)), pais de :
Luzia de Oliveira Gusmão  c/ Mateus Ferreira Lima, que eram os pais de 
3.1 – Manuel Ferreira Lima
3.2- Manuel Ferreira Lima c.c. Isabel Maria da Franca  - Iaiá Zabel, pais de
3.2.1 – Joaquim Ferreira Lima Verde – Padre – tronco dos Limaverde( Ver árvore genealógica);
3.2.2 – Maria Isabel da Penha – tronco dos “Maia” do Crato( ver árvore genealógica).


IV - Bárbara Correia de Oliveira  c.c. Leão da Franca, pais de 
João, pai de ( Antão, José, Beatriz e Maria), sem mais informações.

Das 4 sergipanas descendem, dentro outras, as seguintes famílias
*OS SUCUPIRA E OS ALENCAR, através do casamento de Antonio Ferreira Lima Sucupira c/ Carolina Clarence Alencar Araripe – Carolina Sucupira;
*SÁ BARRETO E CALLOU, através do casamento do Capitão Francisco de Magalhães Barreto e Sá c/ Polucena de Abreu Lima;
*OS PEDROSO , DO CRATO, através do casamento de Teresa de Jesus Batista c/ Domingos Pedroso Batista ( Português);
*O CLÃ ALENCARINO, DO SÍTIO MIRANDA E PAU SECO, através do Casamento de Matildes Francisca de Oliveira / o Capitão Manuel Joaquim Teles;
*OS FERREIRA LIMA, OS ALENCAR ARARIPE, OS LEITE DE OLIVEIRA,  OS MARROCOS TELLES, OS ALVES DE FIGUEIREDO, OS MACEDO PIMENTEL OS CARDOSO E OS MACIEL, que descendem  de Desidéria  Maria do Espírito Santo – A Velha c/ João Gonçalves Diniz;
*OS ALVES DE FIGUEREDO, através do casamento de Mateus Ferreira Lima c/  Luzia de Oliveira Gusmão( uma das 4 sergipanas);
* OS  FERREIRA LIMA VERDE/ OS MAIA, através do casamento de Luzia de Oliveira Gusmão  c/ Mateus Ferreira Lima.
Fonte: 
01 – GOMES, Padre Antonio, Povoamento do Cariri.  Faculdade de Filosofia do Crato, 1973
02 – MONTENEGRO, F.( Pe), As Quatro Sergipanas. Fortaleza: Casa de José de Alencar/Pro grama Editorial, 1996.b

13 comentários:

Luis Magno disse...

muita bo seu trabalho de pesquisa sempre leio o que vc posta.continue com esses trabalhos de riquíssima importancia para as familias de ascendencia pró-cratuense ou cearense...

Agatha disse...

Sou descendente de Luzia de Oliveira Gusmão e Desidéria Andrade Pereira, cujos descendentes se casaram (Cel. Joaquim Ferreira Lima e Desidéria II) e tiveram filhos, um deles João Franklin de Lima, que vem a ser meu tetravô materno.
Possuo um estudo genealógico, que confirma suas informações, o que muito me alegrou.
Da parte de meu avô, Manoel de Sales Andrade, desembargador, cearense, possuo menos informações, mas estou em busca. Ele nasceu justamente em Quixeramobim. Sou Rebeca Benévolo de Andrade.
Parabéns pelo trabalho!

heitor disse...

Antônio, você foi muito feliz em destacar:"segundo o Pe. Gomes". Na versão, por enquanto a mais aceita, o primeiro povoador do Sul do Cariri, teria sido Manoel Roiz Arioza. Outros preferem que este tenha o mérito de primeiro povoador dividido com a família Mendes Lobato. Porém tive a sorte de encontrar alguns documentos que revelam muito mais, e contradizem parte dessa versão oficial. Em razão disso, asseguro que os primeiros foram Manoel e Antônio de Brito, este, o primeiro proprietário da Atual Missão Velha. Em seguida vieram os Mendes Lobato e os seus parentes, os Montes e os Ferreira da Fonseca, primeiros povoadores do Icó. Atente-se que Antônio Mendes Lobato, juntamente com o seu sócio, Lourenço Alves Feitosa, pretendiam apoderar-se dessas terras, e o fizeram logo após a morte de Manoel, que tinha mandado matar Antônio, pondo a culpa nos índios calabaças. No entanto, após o falecimento de Manoel, os citados sócios entraram em desentendimento, gerando um conflito armado.

João Paulo Filgueiras disse...

Sou descendente de José Quezado Filgueiras Lima, segundo a tradição por seu filho o Capitão-mor do Crato-CE José Pereira Filgueiras, o filho deste, Filgueirinha e seu bisneto Totonho Filgueiras, gostaria de saber mais sobre eles.

Contato jota12filgueiras@gmail.com
http://osertaoontem.blogspot.com.br/

Rose Rocha disse...

Meu nome é Rose Mary Oliveira Rocha, sou bisneta e Joaquim José de Oliveira (natural de Pau dos Ferros no RN) filho de Francisco Antônio de Bessan e Maria Gomes de Oliveira) e de Maria Sophia de Oliveira, que quando solteira teria o sobrenome Menezes, esta natural de Riacho do Sangue no Ceará. Gostaria muito de obter a confirmação desses dados, e principalmente poder chegar aos meus tataravós...de onde vieram por exemplo, o que faziam...
Grata
Rose
e-mail: roserocha50@hotmail.com

Sylvio de Alencar. disse...

CAro Antonio, como não se impressionar com seu trabalho?
E não é só isso, também sua iniciativa merece todo nosso respeito e consideração.

Bem, estive prestando atenção de que tronco minha família poderia ter se originado, mas não foi tão fácil.
Achei que os Pereira de Alencar formavam uma família grande e importante, não é assim; os Sucupira, os Maias, eram bem maiores...
Tudo bem.
Meus avós são: Antonio Pereira de Alencar e Thereza de Jesus Alencar.
Se você souber de algo, por favor entre em contato.
Quanto a mim, continuarei a pesquisar. Mando-lhe meu mail, e meu perfil no Facebook.

Muito obrigado!

sylvio.d.alencar@hotmail.com
ou
https://www.facebook.com/Sylvio.d.Alencar

Agradeço qualquer informação. Eu poderia entrar em contato com o cartório de Santana do Cariri? Vou tentar, pela internet.

Fco. Augusto disse...

Prezado,
Necessário corrigir o engano cometido a respeito da naturalidade de Alexandre Leite de Oliveira.
1. Não existe Paróquia de São Raimundo, em Lisboa.
2. Alexandre Leite de Oliveira não nasceu no ano de 1745. Quem nasceu em 1745, foi seu irmão Henrique, a 06 de julho.
3. Alexandre Leite de Oliveira foi o nono filho. Tenho o termo de seu batismo, bem como do casamento de seus pais, avô paternos e maternos.
4. Alexandre Leite de Oliveira nunca foi Padre Jesuíta, nem seminarista foi... provo com documentos.
O erro involuntário cometido por autores sérios tem de ser corrigido com urgência.
Cordialmente,
Fco. Augusto de Araújo Lima
faal.www.hotmail.com

Fco. Augusto disse...


Prezado,
Necessário corrigir:
Alexandre Leite de Oliveira, por engano, citado como PADRE Jesuíta e nascido no ano de 1745, na não existente Paróquia de São Raimundo, cidade de Lisboa. Quem nasceu em 1745, a 06 de julho, foi o seu irmão Henrique.
Nunca foi Padre Jesuíta.
Tenho os termos: batismo de Alexandre Leite de Oliveira, do casamento dos seus pais e avôs paternos e maternos.
Cordialmente,
Fco. Augusto de Araújo Lima, Fortaleza, 24.08.2014
faal.www@hotmail.com

gam538 disse...

Sou descendente de José Quezado Filgueiras Lima. Possuo um pequeno estudo sobre esta genealogia até os dias atuais. Só não tenho referência maiores sobre os filhos de José Pereira Filgueiras, capitaão-mor no Crato. Você tem mais informações sobre isso? Meu contato: Marina Alves. E-mail: malves.gontijo@yahoo.com.br

gam538 disse...

Sou descendente de José Quezado Filgueiras Lima. Possuo um pequeno estudo sobre esta genealogia até os dias atuais. Só não tenho referência maiores sobre os filhos de José Pereira Filgueiras, capitaão-mor no Crato. Você tem mais informações sobre isso? Meu contato: Marina Alves. E-mail: malves.gontijo@yahoo.com.br

Orestz disse...

Antônio, belo trabalho sobre nossas origens.
Meu bisavô Manuel Ferreira dos Santos Caminha era filho de Andre Ferreira dos Santos Caminha, que por sua vez era filho do Antonio F dos Santos, e irmão do Antonio Ferreira dos Santos Jr. Esse André era Ten.Coronel e comandante da polícia pras bandas do Crato e do Icó. Minha pesquisa consistente parou por aí, porém como estes antecedentes eram da região do nobre historiador, ando seguindo pistas mais remotas dos Caminhas, tais como referencio abaixo:

Jornal "O Araripe"
http://memoria.bn.br/DocReader/Hotpage/HotpageBN.aspx?bib=213306&pagfis=731&pesq=&url=http://memoria.bn.br/docreader#
------------------Ed00013 Pg4 Anuncio de chegada de fazendas, miudezas, molhados, vinho do Porto, Azeite&Azeitonas na casa de Alexandre Ferreira dos Santos Caminha, no quadro da Matriz nesta cidade (Crato, 1855)
------------------Ed00018 Carta de Edittos Protesto de Lettra) pelo Procurador Alexandre Ferreira dos Santos Caminha 03/11/1855. Ref a "Caminha & Filhos, moradores da cidade de Icó
------------------Ed00021 Pg2 Edital de protesto pelo negociante Alexandre Ferreira dos Santos Caminha Crato, 09/04/1855
------------------Ed00029 pg3 Comunicado indicando Alexandre Ferreira dos Santos Caminha como eleitor, por ser brasileiro nato e proprietário
------------------Ed00034 pg Alerta de Alexandre Ferreira dos Santos Caminha contra as "espertesas e infelices de Pacheco & Mendes do Aracaty" 28/01/1856

Constitucional Pernambucano
http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=717525&pesq=Jo%C3%A3o%20Lopes%20Caminha
------------------Ed00046 05/10/1804 "Soube mais que João Lopes Caminha conhecido por saia-velha 1o. supplente de Subdelegado do Granito, quando morou no Crato tinha intima amizade com um homem cazado que era seu compadre, porem abuzando da que confiança que lhe era depositada seduz sua comadre e por fim vendo-se descoberto manda assassinar o seu compadre no lugar Mattinhos um quarto de legoa pouco mais ou menos da cidade, dando isto lugar a sua mudança para Exú, onde vive impunemente, e em, premio de tal façanha, um lugarsito na policia"

Nossa Árvore genealógica está em http://www.myheritage.com/site-family-tree-85725284/familia-caminha ,mas temo por inconsistências quando regredimos ao sec XVIII. Como seria possível obter informações mais seguras? Você as tem? Se eu passar uns dias aí posso obtê-las. e-mail: orestescaminha@gmail.com

ney de araripe sucupira Sucupira disse...

Nossos cumprimentos pela riqueza de nomes e origem genealógica das famílias do nosso
Ceará. O largo apanhado descritivo honra e dignifica os descendentes de históricos
vultos pioneiros do sofrido nordeste. Que todos descendentes dessas inúmeras famílias
dignifiquem seus ancestrais em vida pública e social honrosas,servindo ao bem comum
da Nação, a glória da nossa Pátria e cumprindo os Santos Ensinamentos.

Ney de Araripe Sucupira
ney.sucupira@uol.com.br - São Paulo
Pentaneto de Bárbara de Alencar
Bisneto do Major Carolino Bolivar de Araripe Sucupira

Raimundo Chagas disse...

Meu nome e Raimundo Francisco Chagas, nasci em Fonte-Boa, no local denominado JUTAI,no Estado do Amazonas em 26 de setembro de 1944, filho de Euclides Xavier das Chagas e Adalgiza Xavier das Chagas, nordestinos, primos legitimos pois são filhos de Francisco Xavier das Chagas(avo paterno) e Joao Xavier das Chagas(avo materno)- irmãos, como se nota.Apenas sei o nome de minha avo paterna(IZABEL JULIA...CHAGAS)possivelmente nascidos,ou que hajam morado no Crato, ou outra região do Cariri. Estes nordestinos vieram para o Amazonas lá pelo inicio do século passado e foram seringueiros,até os
anos 1940. Tendo os avós falecido, meus pais vieram para Manaus-Am em 1947 onde faleceram no final do século passado. Nunca consegui definir meus antepassados nordestinos e a origem da família (bisavós, e anteriores. Apenas sei que meus avós trouxeram filhos, tanto do lado materno como do paterno. Sei também que minha avó paterna faleceu cedo, ainda aí no Ceará e meu avó paterno casou-se com uma segunda mulher de nome Raimunda.Se alguem conhecer alguém cuja familia seja XAVIER DAS CHAGAS, no Crato ou em outra região do Cariri ou mesmo do Ceará, por favor contacte-me pelo I-mail - familliachagas@gail.com Grato.